Capa » Projetos » Projetos Participativos » Pluviômetro nas Comunidades » Pluviômetros nas Comunidades
cemaden - pluviometros semiautomaticos

Pluviômetros nas Comunidades

O projeto “Pluviômetros nas Comunidades” visa introduzir a cultura da percepção de riscos de desastres naturais no Brasil, envolvendo a população que vive em áreas de risco, fortalecendo as capacidades locais de enfrentamento de eventos adversos. O projeto prevê a distribuição de pluviômetros semiautomáticos (equipamento que mede a quantidade de chuva) para serem instalados em áreas de risco e operados por equipes da comunidade local, especialmente treinadas e, desta forma, promover o engajamento e a conscientização dos moradores, completando a rede de informações hidrometeorológicas que fazem parte da estrutura observacional do país para o monitoramento e alertas de desastres naturais.

1. O que é o projeto Pluviômetros nas Comunidades?

1. O que é o projeto Pluviômetros nas Comunidades?

R: O projeto “Pluviômetros nas Comunidades” visa introduzir a cultura da percepção de riscos de desastres naturais no Brasil, envolvendo a população que vive em áreas de risco e fortalecendo as capacidades locais de enfrentamento de eventos adversos.

2. Qual a vantagem de ter pluviômetros semiautomáticos no município onde atuo?

2. Qual a vantagem de ter pluviômetros semiautomáticos no município onde atuo?

R: A vantagem é prover as populações locais com instrumentos que contribuam para a prevenção de desastres naturais, além de incentivar o desenvolvimento da cultura de percepção de riscos.

3. Quantos endereços podem ser cadastrados?

3. Quantos endereços podem ser cadastrados?

R: A entidade parceira pode indicar quantos considera necessário. O Cemaden realizará uma triagem para selecionar o número de pluviômetros mais adequado para cada entidade e município.

4. Quem pode ser uma entidade parceira?

4. Quem pode ser uma entidade parceira?

R: A entidade parceira pode ser qualquer instituição que queira contribuir para o monitoramento do Cemaden e com a melhoria das operações de Defesa Civil no município. Podem ser entidades parceiras: Coordenadorias Municipais de Defesa Civil, Coordenadorias Estaduais de Defesa Civil, Prefeituras e suas secretarias, Governo do Estado e suas secretarias, escolas e universidades, empresas públicas, institutos de pesquisa, etc.

5. Qual o papel da entidade parceira?

5. Qual o papel da entidade parceira?

R: O principal papel da entidade é o de disseminar ações voltadas para o desenvolvimento da cultura de percepção de risco no Brasil. Além disso, a entidade parceira deverá contribuir para a manutenção preventiva do pluviômetro, zelar pela conservação do instrumento e comunicar eventuais problemas.

6. Quem fará a manutenção dos equipamentos?

6. Quem fará a manutenção dos equipamentos?

R: Em caso de algum problema, o Cemaden deverá ser imediatamente notificado para que se possa avaliar a possibilidade de eventuais assistências técnicas, e/ou reposição do pluviômetro quando houver recursos. A entidade parceira será responsável pela conservação e guarda dos equipamentos.

7. O que acontecerá se o pluviômetro for roubado ou sofrer danos?

7. O que acontecerá se o pluviômetro for roubado ou sofrer danos?

O Cemaden deverá ser imediatamente notificado.

8. Quais locais podem receber um pluviômetro semiautomático?

8. Quais locais podem receber um pluviômetro semiautomático?

R: Devem ser selecionados locais seguros, próximos a áreas de risco de deslizamentos ou inundações. Por exemplo: sede Defesa Civil, escolas e universidades, estabelecimentos de saúde, igrejas e templos, associações comunitárias, etc. Recomenda-se, também, que o local possibilite o contato das comunidades com os equipamentos.

9. O equipamento necessita de ponto de energia elétrica para funcionar?

9. O equipamento necessita de ponto de energia elétrica para funcionar?

R: Não. O equipamento possui uma bateria com autonomia de no mínimo 5 anos de uso, depois poderá ser substituída por pilhas AA, sob responsabilidade da entidade parceira. Tais pilhas duram aproximadamente 1 ano.

10. Qual é a frequência de coleta de dados do pluviômetro?

10. Qual é a frequência de coleta de dados do pluviômetro?

O visor do pluviômetro mostra a chuva acumulada na última hora que passou, depois nas últimas 4 horas, nas últimas 24, 48, 72 e 96 horas.

11. Está chovendo muito. Preciso sair no meio do temporal para ler os dados do pluviômetro?

11. Está chovendo muito. Preciso sair no meio do temporal para ler os dados do pluviômetro?

Não, o datalogger (parte do pluviômetro o qual possui o visor e onde são armazenados os dados) pode ser instalado em área abrigada e segura a 20m de onde foi instalado o equipamento.

12. Como faço para ter acesso à lista atual de municípios contemplados para instalação dos pluviômetros?

12. Como faço para ter acesso à lista atual de municípios contemplados para instalação dos pluviômetros?

R: A lista atualizada de municípios contemplados no projeto encontra-se no site do Cemaden, por meio do link www.cemaden.gov.br/municipiosprio.php

13. Eu não sou ligado a nenhuma entidade pública, mas sou engajado em minha comunidade e gostaria de participar do projeto. O que devo fazer?

13. Eu não sou ligado a nenhuma entidade pública, mas sou engajado em minha comunidade e gostaria de participar do projeto. O que devo fazer?

R: Recomendamos que procure o responsável de Coordenadoria Municipal de Defesa Civil de seu município, de modo que possam trabalhar em cooperação.

14. Podem ser realizados cadastros de endereços localizados em municípios que não fazem parte da lista atual de municípios contemplados?

14. Podem ser realizados cadastros de endereços localizados em municípios que não fazem parte da lista atual de municípios contemplados?

R: Sim. Estes locais constituirão um cadastro de reserva para a instalação de novos equipamentos, com possibilidade de serem contemplados.

15. Os dados de chuva serão compartilhados com a Defesa Civil e outras entidades?

15. Os dados de chuva serão compartilhados com a Defesa Civil e outras entidades?

R: Os dados enviados pelas entidades serão compartilhados por meio de uma página online no site do Cemaden, via acesso com senha.

16. Recebi um pluviômetro. Posso comercializar os dados, já que o equipamento está sob minha responsabilidade?

16. Recebi um pluviômetro. Posso comercializar os dados, já que o equipamento está sob minha responsabilidade?

R: Não, os dados em hipótese alguma poderão ser comercializados.

17. Recebi um pluviômetro. Sou obrigado a enviar os dados de precipitação ao Cemaden?

17. Recebi um pluviômetro. Sou obrigado a enviar os dados de precipitação ao Cemaden?

R: Não, mas o Cemaden incentiva a iniciativa da entidade em enviar os dados através do site do projeto.

18. Recebi um pluviômetro. Como devo proceder para atuar na prevenção de desastres e na disseminação da cultura de percepção de risco?

18. Recebi um pluviômetro. Como devo proceder para atuar na prevenção de desastres e na disseminação da cultura de percepção de risco?

O Cemaden recomenda fortemente que a entidade atue engajada com a defesa civil local, no conhecimento, aprimoramento e divulgação dos planos de contingência. Incentiva-se, ainda, a proatividade do responsável pelo pluviômetro em organizar atividades de capacitação, tais como cursos e treinamentos, junto a comunidade local.
Acesse o site do Projeto Pluviômetros nas Comunidades