Capa » Noticias » Cooperação multilateral do BRICS inclui prevenção, monitoramento e alertas de desastres naturais

Cooperação multilateral do BRICS inclui prevenção, monitoramento e alertas de desastres naturais

O Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden), vinculado ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) foi o órgão responsável dentro do ministério para desenvolver os acordos e mecanismos de ciência, tecnologia e inovação para a cooperação multilateral entre o Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul (países que integram o BRICS) em torno do tema relacionado a desastres naturais. Entre os instrumentos estratégicos propostos, estão a criação de uma plataforma on-line para compartilhamento de informações sobre alterações climáticas, prevenção e mitigação de desastres naturais, o intercâmbio de programas, além de bolsas para  pesquisadores e estudantes.

No acordo de cooperação entre os países do BRICS, firmado no último dia 18 de março, os termos aprovados entre os países estão inclusos em dois documentos: a Declaração de Brasília e o Memorando de Entendimento sobre a Cooperação em Ciência, Tecnologia e Inovação. No acordo, o Brasil ficou responsável em coordenar o Plano de Trabalho, entre 2015-2018, na área de “prevenção e mitigação de desastres naturais”, uma das cinco áreas prioritárias do acordo de cooperação multi-países.

O Cemaden/MCTI, desde a sua implantação, em 2011, vem trabalhando nas estratégias de monitoramento, na modelagem e plataformas para alertas e prevenção de riscos de desastres naturais. Também desenvolve pesquisas para a prevenção e mitigação, ou seja, adota medidas  para aprimorar os alertas com maior antecedência, de forma a evitar e a reduzir as causas ou consequências dos desastres nas áreas de risco, em todo o  território nacional.

Adotando planos regionais e projetos-pilotos nas cidades resilientes, o Cemaden tem metas de ampliar as ações de monitoramento e prevenções nos municípios considerados vulneráveis a risco de desastres, inclusive envolvendo a comunidade local. A resiliência, além do enfrentamento com o impacto sofrido, inclui o aprendizado com a situação de crise passada, a integração de sua elaboração, seja pessoal, familiar ou social, bem como o retorno desse aprendizado à comunidade.

A cooperação internacional com bases na Conferência de Sendai, no Japão, realizado também em março, definiu o quadro pós-2015 para redução do risco de desastres no mundo, incluindo metas a serem cumpridas até 2030, com orientações sobre cooperação internacional,  investimentos e parcerias público-privadas, de forma a aprimorar a prevenção e redução do risco desses desastres.

Confira também

Metodologias para antecipar alertas em eventos meteorológicos severos são apresentadas na Série de Debates

O desafio da previsão e monitoramento de tempestades severas – as quais podem resultar em …