Capa » Noticias » Cemaden utiliza dados e históricos dos alertas emitidos para apoio no monitoramento das chuvas intensas

Cemaden utiliza dados e históricos dos alertas emitidos para apoio no monitoramento das chuvas intensas

 

Vários grupos de trabalho compostos por equipes de Tecnologistas da Sala de Situação (ou Operação) e da T.I. do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden) – unidade de pesquisa do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações – estão desenvolvendo diversas plataformas computacionais para aprimorar o acompanhamento das chuvas intensas nas áreas de riscos de 958 municípios, considerados prioritários para o monitoramento e emissão de alerta de riscos de desastres.

Os Grupos de Trabalho (GTs) envolvendo áreas interdisciplinares ( hidrologia, meteorologia, geologia, desastres naturais e T.I.) foram criados para a realização de pesquisas na área de Operação e Modelagem, desenvolvendo os estudos durante o período seco e não chuvoso no País. O objetivo é gerar ferramentas, organizar dados e informações necessárias para apoio no monitoramento das chuvas intensas nas áreas vulneráveis a risco de desastres.

As apresentações internas dos resultados das pesquisas realizadas pelos  GTs iniciam nesta quarta-feira (29)  e tem continuidade no próximo dia 04 de dezembro, na Série de Debates, evento  que promove o intercâmbio científico e amplia os debates e pesquisas sobre monitoramento e redução de riscos de desastres.

Plataforma computacional (Curvas IDF) para monitoramento de chuvas intensas nas áreas urbanas

Um dos projetos que será apresentado é o método de cálculo para as intensidades máximas das chuvas,  envolvendo estudos nas áreas de hidrologia, realizadas no município paulista de Bauru e de geologia/geotecnia, realizadas em Salvador, no estado da Bahia. O método foi implementado em uma plataforma computacional denominada IDFAdmin e será apresentado no dia 29 (quarta-feira) na sede do Cemaden.

Essa plataforma computacional permite a retroanálise, ou seja, efetuar a análise de dados históricos – neste caso de intensidade de chuvas – e das ocorrências de eventos passados de enxurrada, de inundação e de movimentos de massa.

Ainda, nesse projeto, prevê-se que o monitoramento e o envio dos alertas terá como base as precipitações intensas, nas Curvas IDF. Essas curvas indicam a intensidade, a duração e a frequência da chuva, as quais foram calculadas com base em dados históricos das precipitações em uma determinada área, como por exemplo, no município ou na região monitorados.

Resultados das pesquisas e implantação

Nessas duas cidades onde foram realizados os estudos (Salvador e Bauru), os eventos foram identificados a partir dos alertas enviados pelo Cemaden, efetuando os cálculos das curvas de intensidade máxima das chuvas (curva Imáx), a partir da plataforma IDFAdmin.

Na área de geologia/geotecnia, a análise dos dados referentes ao ano de 2017 (até o mês de novembro) possibilitou a verificação da baixa resiliência da cidade de Salvador para chuvas intensas, demonstrada pela ocorrência de deslizamentos com intensidades máximas menores que o tempo de nova ocorrência, dentro do período de um ano (denominado de tempo de retorno -TR).

Em hidrologia, os resultados obtidos permitiram identificar a ocorrência de enxurradas na cidade de Bauru/SP, com intensidades máximas para tempos de retorno (TR) menores que um ano e, portanto, demonstrando também uma baixa resiliência frente as chuvas intensas. Os dados utilizados, neste caso, foram para eventos e alertas entre os anos de 2015 e 2017.

O Projeto IDF será implementado na Sala de Operação do Cemaden na próxima semana. Posteriormente, serão ampliados os estudos, análises e ações para incluir a previsão meteorológica de curto prazo nessa plataforma, possibilitando, assim, a análise de dados e o envio de alertas antecipados. Esse projeto foi elaborado pelo GT-7, composto pelos tecnologistas e pesquisadores do Cemaden: João Lino, Enos Sato, Jaqueline Soares e Diego Souza.

Conceitos :  enxurradas, inundação e movimento de massa

Enxurrada é o escoamento superficial concentrado e com alta energia de transporte, podendo ter ou não relação com processos fluviais, que são geralmente causadas por tempestades intensas. Estes eventos podem durar minutos ou horas, dependendo da intensidade e da duração da chuva, da topografia, das condições do solo e da cobertura do solo. Nas cidades, quando a chuva é intensa e o sistema de drenagem não tem capacidade para o transporte da água, pode ocorrer uma enxurrada em poucos minutos.

As enxurradas podem arrastar veículos, pessoas, animais e mobílias por vários quilômetros. Já os alagamentos são acúmulos momentâneos de águas em determinados locais, devido as deficiências no sistema de drenagem, podendo ter ou não relação com processos fluviais..

Inundação é o processo em que ocorre extravazão de água de um curso natural ou canal artificial e a consequente submersão de áreas fora dos limites normais, denominadas áreas de várzea ou planícies de inundação . O transbordamento ocorre de modo gradual em áreas de planície, geralmente ocasionado por chuvas distribuídas e alto volume acumulado na bacia dos rios.

Movimento de massa, também denominado como deslizamento, escorregamento, ruptura de talude, queda de barreiras, entre outros, se refere aos movimentos de descida de solos e rochas sob o efeito da gravidade, geralmente potencializado pela ação da água.

(Fonte: Ascom-Cemaden)

Equipe de Tecnologistas da Sala de Situação e da T.I. do Cemaden desenvolve plataforma computacional que permite analisar dados históricos  de intensidade de chuvas  e das ocorrências de eventos passados de enxurrada, de inundação e de movimentos de massa.

 

 

Confira também

Cemaden representa o hemisfério sul em publicação internacional sobre Ciência de Desastre

Ontem (20), foi lançado o livro “A Global Outlook on Disaster Science” (Perspectiva Global sobre …