Capa » Monitoramento » Situação Atual da Seca no Semiárido e Impactos junho de 2016

Situação Atual da Seca no Semiárido e Impactos junho de 2016

Avaliação das condições de seca para os últimos 90 dias de acordo com o cálculo dos percentis dos dados de precipitação

A avaliação do Percentil para os últimos 90 dias (período entre os dias 04 de maio a 05 de julho) indica redução das áreas que apresentam a condição de “Muito Seco”, principalmente nos Estados da Bahia e norte de Minas Gerais com relação ao mês anterior (maio). As regiões com a condição de “Muito Seco” são observadas principalmente nos Estados do Ceará e Piauí. Ressalta-se, no entanto que em todas essas regiões destacadas as quadras chuvosas já foram encerradas.

O percentil é usado como forma de classificar o status de cada município, segundo o montante de precipitação recebido.
São consideradas as seguintes classificações: Muito Seco (precipitação abaixo do percentil 15); Seco (precipitação entre os percentis 15 e 35); Normal (entre os percentis 35 e 65); Se em um determinado período uma região foi classificada como “Muito Seca”, isto significa que o acumulado de chuva desta região foi classificado dentre os 15% menores valores da série. O padrão “Seco” inclui as regiões que apresentam precipitação no intervalo entre 15% e 35% dos valores mais baixos da série, e, assim, sucessivamente.

Risco agroclimático para o período de 01/10/2015 a 30/06/2016

Segundo a avaliação do número de dias com déficit hídrico (modelo de balanço hídrico) para o ano hidrológico de 2015/2016, que teve inicio no mês de outubro, no período de 01 de outubro de 2015 a 30 de junho de 2016, 24 municípios foram classificados como de risco MUITO ALTO (mais que 75 dias com déficit hídrico) e 234 municípios como de risco ALTO (entre 60 a 75 dias com déficit hídrico). O número de municípios considerados com risco MUITO ALTO diminuiu em relação ao mês anterior (maio). Os municípios que mantiveram uma condição crítica estão localizados principalmente na região leste, ressaltando-se, que a quadra chuvosa para essa área teve inicio no mês de abril.

O risco agroclimático é estimado a partir do Número de dias com déficit hídrico nos municípios (NDDH), o qual é calculado a partir do modelo de balanço hídrico desenvolvido pelo CPTEC/INPE.
São consideradas as seguintes classificações: Risco Muito Alto (mais que 75 dias com déficit hídrico), Risco Alto (entre 60 a 75 dias com déficit hídrico), Risco Moderado (entre 40 a 60 dias com déficit hídrico) e Risco baixo (até 40 dias com déficit hídrico).  

Índice VSWI: Porcentagem do município impactado pela seca (áreas de pastagens e agrícolas) no mês de junho de 2016

Considerando os impactos da seca em áreas de atividades agrícolas e/ou pastagens, de acordo com o índice VSWI, 767 municípios apresentaram pelo menos 50% de suas áreas impactadas no mês de junho de 2016. Considerando as regiões cujos calendários de plantio ainda estavam vigentes no mês de junho (Estados de Alagoas, Sergipe e parte da Bahia), as áreas impactadas pelas secas somam cerca de 6milhões de hectares, o que pode impactar aproximadamente 180 mil estabelecimentos de agricultura familiar inseridas nessas regiões.

O índice VSWI é derivado de dados de NDVI e temperatura do dossel, oriundos do sensor MODIS a bordo dos satélites AQUA e TERRA – resolução de 1 km. O índice indica condição de seca quando o valor do NDVI (índice de vegetação) é baixo (o que indica baixa atividade fotossintética) e a temperatura da vegetação é alta (indicando estresse hídrico).

Tabela 1. Avaliação da Extensão dos Impactos da Seca

UF Número de Municípios com mais de 50% de área impactada Área Impactada (ha) Número de Estabelecimentos de Agricultura Familiar Impactados
BA 164 12.492.452,01 248.525
CE 99 5.228.309,57 173.772
PI 77 4.471.001,72 73.177
PB 91 1.893.779,53 56.598
AL 26 566.836,61 45.325
RN 75 1.773.807,51 34.667
MA 29 2.319.052,79 23.058
SE 31 851.918,04 40.889
ES 28 2.065.437,67 25.595
PE 61 2.537.714,02 113.972
MG 86 7.078.028,02 72.522
TOTAL 767 41.278.337,41 908.100

Influências climáticas na escala sub-sazonal a sazonal

O fenômeno El Niño não está mais presente. O final da estação chuvosa do leste do Nordeste (meses de Julho e Agosto) ocorrerá sob condição de neutralidade, de modo que, na macro escala, a previsão climática sazonal para o trimestre Julho-Agosto-Setembro/2016 (JAS) aponta como cenário mais provável o de chuvas dentro da média climatológica e como segundo cenário mais provável o de chuvas inferiores à média. O trimestre JAS deve marcar a transição para um episódio de La Niña, ainda de intensidade indefinida, embora provavelmente com intensidade fraca. As condições previstas em escala de médio prazo para chuvas até 19 de julho são desfavoráveis à ocorrência de volumes substanciais de precipitação. Portanto, o quadro climático presente e futuro sugere que deve ser dada atenção às áreas que, ainda em período chuvoso, estão caracterizadas com risco agroclimático: regiões da Zona da Mata de Sergipe, Alagoas e Leste e Nordeste da Bahia.

Faça o Download do Relatório na Integra

Confira também

Situação Atual e Projeção Hidrológica para o Sistema Cantareira 31/01/2020

A precipitação média espacial, acumulada durante o período chuvoso de 01 de outubro de 2019 …