Capa » Noticias » Relatório de gestão do Cemaden apresenta os avanços e desafios da instituição

Relatório de gestão do Cemaden apresenta os avanços e desafios da instituição

O Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden) – unidade de pesquisa do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) – divulgou, ontem (01 junho), o Relatório de Gestão de 2019, mostrando os avanços das atividades técnico-científicas sobre pesquisas, monitoramento e previsão de desastres geo-hidrológicos, de seca, bem como os  alertas sobre os seus impactos na sociedade. As questões referentes ao orçamento, manutenção e gestão técnica da rede de equipamentos de monitoramento estão dentro dos desafios a serem resolvidos junto a outras instâncias de gestão.

Entre as atividades desenvolvidas, no ano passado, estão a ampliação de geração periódica de informações técnico-científicas direcionadas para subsidiar decisões de gestão pública interministerial. Por demanda do governo federal, o Cemaden expandiu sua atuação para monitorar geograficamente e por tipologia de desastres. Dessa forma, monitora e prevê os impactos de secas severas para municípios do semiárido do Nordeste brasileiro e, desde 2014, também para municípios/bacias hidrográficas impactadas por intensas secas.

O relatório apresenta um balanço sobre os alertas emitidos em 2019. Foram  2.192 alertas encaminhados, sendo 50,7% desses alertas para risco hidrológico (inundações, enxurradas) e 49,3% para risco de movimentos de massa (deslizamentos). Em relação ao total de alertas enviados para os municípios monitorados em todo o País, as regiões que receberam mais alertas foram a Sudeste (54%), a Nordeste (22%), seguidas das Regiões Sul (16%), Norte (7%) e Centro-Oeste (1%).

O diretor do Cemaden, Osvaldo Moraes, destacou quatro expressivas realizações em 2019, que resultaram em impactos positivos para a instituição:  a ampliação do espaço físico da sede do Cemaden;  a doação de terreno dentro do Parque Tecnológico, feita pela Prefeitura de São José dos Campos para a construção da sede definitiva; o acordo de cooperação com a empresa IACIT para instalação de um radar meteorológico na área do Cemaden e a elaboração do Plano Diretor, com a participação dos servidores.

Informações técnico-científicas para subsidiar ações do governo federal e parcerias com outras instituições

Boletins diários de previsão de riscos de deslizamentos, inundações e enxurradas (de acesso público no site) são encaminhados à Casa Civil, ao CENAD (Centro Nacional de Gerenciamento de Riscos de Desastres), do Ministério do Desenvolvimento Regional, com informações que possibilitam as ações de preparação das Defesas Civis. Semanalmente, o Cemaden provê o Ministério das Minas e Energia e o ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico) de relatórios de projeções dos níveis de reservatório usados para geração de energia elétrica. Mensalmente, elabora boletins para o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e Agência Nacional de Água (ANA) sobre os impactos da seca no Brasil e nos principais reservatórios usados para abastecimento humano, participando com informações técnicas para apoio nos programas assistenciais do Programa Garantia Safra do governo federal.

No relatório de gestão, foram destacadas, também, as parcerias com instituições nacionais e internacionais para o desenvolvimento de atividades de pesquisa em desastres, com estudos aplicados para aprimorar o monitoramento dos 958 municípios com áreas de risco de deslizamentos, inundações, enxurradas e secas. Nessas parcerias, também são citados os programas desenvolvidos pelo Cemaden para popularização da ciência na área de prevenção e conscientização dos riscos de desastres junto à comunidades escolares, às comunidades das áreas de risco  e sociedade em geral (como os Programas Cemaden Educação, RedeGeo  e WASH).

“Em 2019, o Cemaden conseguiu realizar parcerias estratégicas com outras instituições, além de acordos significativos em termos econômicos e importantes para realizar atividades planejadas.”, salienta Osvaldo Moraes. O diretor do Cemaden destaca que o maior desafio envolve a solução da problemática sobre os recursos para manutenção da rede observacional e a implementação de uma área administrativa técnica de Engenharia, para a supervisão permanente dessa rede de equipamentos de monitoramento.

O acesso ao Relatório de Gestão do Cemaden de 2019 está disponibilizado no portal pelo endereço :

http://www.cemaden.gov.br/relatorio-de-gestao-2019/

Fonte: Ascom/Cemaden

Confira também

Cientistas divulgam relatório prevendo alto risco de queimadas e incêndios florestais nas Áreas Protegidas da América do Sul

A identificação de 117 Áreas Protegidas (A.P.) na América do Sul em situação crítica – …