Capa » Noticias » Cemaden Educação promove atividades para preservação dos rios e prevenção de desastres socioambientais

Cemaden Educação promove atividades para preservação dos rios e prevenção de desastres socioambientais

 

Foto: Ascom-Cemaden

Na semana comemorativa do Dia Mundial da Água (22 de março), alunos de escolas de Taubaté e de São José dos Campos participaram de atividades educativas sobre a importância da proteção das margens dos rios e do seu entorno, a preservação da água e a redução do assoreamento dos rios para a prevenção de riscos de desastres socioambientais.

 

Cerca de 160 alunos das escolas de ensino fundamental de Taubaté e de São José dos Campos – municípios da região paulista do Vale do Paraíba – participaram do projeto de plantio de 140 mudas de árvores nativas em Áreas de Preservação Ambiental (APPs) da bacia hidrográfica do Paraíba do Sul, nos dias 21 e 22 de março, na semana de comemoração do Dia Mundial da Água (22 de março).

Coordenadas pela equipe do Cemaden Educação, do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden), as atividades educativas abrangeram diversas dimensões inter-relacionadas com o plantio das mudas: o restauro da mata ciliar dos rios, a proteção das margens dos rios, a redução do assoreamento e a prevenção de desastres socioambientais, como inundações e deslizamentos de encostas de morros. Além desses temas, foram abordados temas sobre preservação da água, melhoria da qualidade e conservação dos rios e de seu entorno, a redução do efeito estufa e a percepção da dimensão ética e estética das águas e florestas.

Em Taubaté, as atividades ocorreram na manhã de 21 de março, com a participação de estudantes da Escola Estadual José Mazella, para o plantio de árvores nativas às margens do Ribeirão das Antas, no Viveiro Florestal (Instituto Florestal de São Paulo), parceiro das ações.

Na quinta-feira, Dia Mundial da Água (22),  60 alunos do ensino fundamental da EMEF Professora Vera Babo de Oliveira e 10 alunos do ensino médio da Escola Estadual Ilza Irma Moeller Coppio, em São José dos Campos, fizeram o plantio das mudas às margens do rio Jaguari, afluente do rio Paraíba do Sul. Esta atividade contou com o apoio da Secretaria Municipal de Urbanismo e Sustentabilidade.

Ainda, em São José dos Campos, ocorreu no Parque Vicentina Aranha –Sala de Leitura Reginaldo Poeta, em São José dos Campos, a “Conversa – Projeto Cachoeiras: Esporte, Ciência e a Comunidade”, com a participação do Cemaden, Inpe, Unesp e Unifei.  O Cemaden Educação colabora com o Projeto Cachoeiras, em atividades de disseminação da ciência cidadã e de conhecimentos de prevenção de desastres socioambientais para as comunidades.

Foto: Ascom-Cemaden

A participação da comunidade escolar e os resultados da experiência

A atividade em campo, com o plantio das mudas nativas  e discussões, foram considerados muito produtivos para a educação ambiental e  a redução de riscos de desastres nas comunidades escolares.

Para a pesquisadora do Cemaden, responsável pelo Cemaden Educação, antropóloga Rachel Trajber, as atividades desenvolvidas junto às escolas na semana comemorativa do Dia Mundial da Água são simbólicas e significativas:

“A atividade desenvolvida é bem mais complexa e contribui para um pensar mais amplo.”, explica a pesquisadora. “ Mostramos as conexões entre a cadeia alimentar, a água, a qualidade do ar, a preservação dos parques florestais e mata ciliar, enfim, a sustentabilidade planetária.”, enfatiza Trajber.

“Trabalhamos dia-a-dia com o conceito ‘sustentabilidade’ e a conscientização sobre a importância das árvores e do reflorestamento.”, afirma a professora Francele Ribeiro, da escola municipal Vera Brabo e informa: “ Os alunos trouxeram a ideia de, além da identificação do tipo da árvore, as placas trouxessem o nome de quem a plantou. Elas querem  adotar  a árvore e se responsabilizarem pela preservação de cada uma.”, afirma a professora Francele Ribeiro.

Para o professor Dimas Faria, professor da disciplina de Física no ensino médio, da escola estadual Ilza Irma Coppio, o trabalho em campo ajuda na aprendizagem com uma visão diferente, ampliando a aprendizagem : “Em 2016, realizamos o plantio de araucária em São Bento do Sapucaí junto aos alunos. Notamos que a experiência e conscientização ficam marcadas de forma positiva para o resto da vida.”, afirma o professor.

“No plantio dessa muda, sei da contribuição da árvore para o ar, a renovação do oxigênio e a melhoria da qualidade de vida.”, afirma Mariana Souza Cândido, de 11 anos, da Escola Vera Brabo, que nesse dia também aprendeu sobre a importância das árvores para a conservação da água e a prevenção de desastres.

“Além de conhecer os nomes e tipos de árvores, também achei importante aprender como plantar e preservar a natureza. Sei que vai contribuir para a mata ciliar do rio, dar sombra e trazer a beleza ao ambiente.”, diz Giovanna Evelyn, 12 anos, cursando o 7º ano da escola Vera Brabo .

“Muito gratificante essas práticas em campo, para assimilar o conhecimento e poder repassar às pessoas.”, lembra Thais Batista, 17 anos, estudante do 3º ano do ensino médio da Escola Estadual Ilza Irma. “Poderemos repassar sobre a importância das árvores e da mata ciliar para preservar as nascentes, ajudar na qualidade do ar e na preservação da água.”

“O plantio da árvore pode melhorar a qualidade da água e do clima. As árvores ajudam na umidade do ambiente e contribui para a formação de chuva.”, explica Arthur Nycolas, 12 anos, do 6º ano da Escola Municipal Vera Brabo.

Foto: Ascom-Cemaden

Projeto do plantio das mudas de árvores e a redução do efeito estufa

A atividade do plantio de árvores nativas foi planejada desde o lançamento da campanha de compensação de gases de efeito estufa, durante a realização, no ano passado, da 14ª edição da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (SNCT), no Vale do Paraíba, com o tema “A Matemática está em tudo!”. Nesse evento, houve a participação de cerca de 400 estudantes da rede escolar de diversas cidades da região, organizado pelo Cemaden Educação, Unesp e Inpe, em São José dos Campos, entre os dias 25 e 28 de outubro.

Na programação da SNCT, foram previstas ações de educação ambiental e de redução de riscos de desastres, entre elas, a de compensação de carbono. Foi desenvolvido estudo, contabilizando a emissão total CO² (gases de efeito estufa) emitidos durante o evento, pelo professor Getúlio Martins (Faculdade de Roseira) e, posteriormente, a produção de mudas de espécies nativas pelo Viveiro Florestal de Taubaté.

O projeto de plantio das mudas de árvores nativas na bacia hidrográfica do Paraíba do Sul contou com a parceria do Viveiro Florestal de Taubaté do Instituto Florestal (unidade do Sistema Ambiental Paulista), com apoio do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), da Universidade Estadual Paulista (Unesp-de São José dos Campos), da Secretaria de Urbanismo e Sustentabilidade da Prefeitura de São José dos Campos, das empresas Visiona e Selper, do Colégio Poliedro e do Projeto Cachoeiras.

(Ascom-Cemaden) 

Foto: Ascom-Cemaden

 

Foto: Ascom-Cemaden

 

Foto: Ascom-Cemaden

 

Foto: Ascom-Cemaden

 

Foto: Ascom-Cemaden

 

Foto; Ascom-Cemaden

 

Foto: Ascom-Cemaden

 

Foto: Ascom-Cemaden

 

Foto: Ascom-Cemaden

 

Foto: Ascom-Cemaden

 

Foto: Ascom-Cemaden

 

 

Foto: Ascom-Cemaden

 

Foto: Ascom-Cemaden

 

Foto: Ascom-Cemaden

 

Foto: Ascom-Cemaden

 

Foto: Ascom-Cemaden

 

Foto: Ascom-Cemaden
Foto: Ascom-Cemaden

 

 

Foto: Ascom-Cemaden

 

Foto: Ascom-Cemaden

 

Foto: Ascom-Cemaden

 

Foto: Ascom-Cemaden

 

Foto: Ascom-Cemaden

 

Foto: Ascom-Cemaden

 

Foto: Ascom-Cemaden

 

Foto: Ascom-Cemaden

 

Foto: Ascom-Cemaden

 

Plantio de mudas em Taubaté (Foto:Cemaden-Educação)

 

Mudas de árvores nativas plantadas pelos alunos, às margens do Ribeirão das Antas, em Taubaté .(Foto: Cemaden-Educação)

Confira também

Cientistas divulgam relatório prevendo alto risco de queimadas e incêndios florestais nas Áreas Protegidas da América do Sul

A identificação de 117 Áreas Protegidas (A.P.) na América do Sul em situação crítica – …