Capa » Noticias » Cemaden aponta cenário de “atenção” hídrica em alguns reservatórios e atraso no plantio da região centro-sul do Brasil

Cemaden aponta cenário de “atenção” hídrica em alguns reservatórios e atraso no plantio da região centro-sul do Brasil

Em razão das condições de seca observadas no mês de setembro, poderá  haver um atraso no plantio de novas safras das principais culturas agrícolas (soja e milho) nos estados do centro-sul do Brasil, como Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Paraná e Santa Catarina. De acordo com o Índice Integrado de Seca (IIS), considerando um cenário de chuva 20% abaixo do esperado para o mês de outubro, poderá permanecer a condição de estresse na vegetação,  principalmente nessas regiões. Outros cenários de atenção são para alguns reservatórios como o Sistema Cantareira (SP) e o de Três Marias (MG), e os açudes de Castanhão (CE) e  de Epitácio Pessoa/Boqueirão (PB).

As análises e projeções foram divulgados, no último dia 15, na décima segunda edição do Boletim Mensal de Previsão de Impactos em Atividades Estratégicas para o Brasil, elaborado pelo Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden), unidade de pesquisa do Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações (MCTIC), apresentando os cenários mais prováveis de impactos em diferentes setores do Brasil. Isso inclui tanto os recursos hídricos no decorrer do trimestre outubro, novembro e dezembro de 2019 (OND/2019) como, o Índice Integrado de Seca (IIS) em todo o Brasil e para a agricultura familiar de sequeiro, para o mês de setembro de 2019, além das projeções para o mês de outubro de 2019.

Para o Sistema Cantareira, em um cenário hipotético de chuvas dentro da média climatológica, é projetado que o volume de água (vazão afluente) ficará abaixo da Média de Longo Termo (MLT) no próximo trimestre ( 89% da MLT) e o armazenamento no sistema, no final de dezembro de 2019, ficará em torno de 47%. Nessa situação, o Cantareira poderá ser classificado na faixa de  “atenção” (dentro da classificação entre 40% a 60%), condição melhor quando comparada ao mesmo período de 2018, quando ficou com 40% de armazenamento.

Os problemas mais críticos apontados – nas projeções hipotéticas de chuvas dentro da média climatológica –  ficam para a bacia afluente ao reservatório Três Marias (MG), que projeta uma vazão em torno de 75% da MLT, situação mais crítica quando comparada ao mesmo trimestre de outubro-novembro-dezembro de 2018 (89% da MLT).

Outra atenção é para o açude Castanhão, no Ceará, onde as projeções indicam que o volume armazenado nesse reservatório, reduzirá para até 3,4% de sua capacidade no final de dezembro de 2019, situação mais crítica quando comparada ao mesmo período de 2018 (4,3%).

Para o açude Epitácio Pessoa/Boqueirão na Paraíba, as projeções indicam que, mantendo-se as extrações atuais e a suspensão dos aportes da transposição do Rio São Francisco, o armazenamento de água diminuirá para 16,7% de sua capacidade no final de dezembro de 2019, situação mais crítica em relação ao mesmo período de 2018 (22%).

Para a bacia afluente ao reservatório Serra da Mesa, o modelo hidrológico projeta uma vazão próxima a 84% da MLT, e uma situação similar ao observado no trimestre de outubro-novembro-dezembro de 2018 (90% da MLT).

As informações mais detalhadas do Boletim de Impactos em Áreas Estratégicas para o Brasil estão disponibilizadas no Portal do Cemaden, pelo endereço :

http://www.cemaden.gov.br/boletim-de-impactos-em-areas-estrategicas-para-o-brasil-15102019/

Fonte: Ascom/Cemaden

Confira também

Programa de Pós-Graduação em Desastres realiza pesquisa aplicada em São Luiz do Paraitinga

Integrado por profissionais de diversas áreas, um grupo de pesquisadores esteve no município paulista de …