Capa » Monitoramento » Situação Atual da Seca no Semiárido e Impactos – Março de 2018

Situação Atual da Seca no Semiárido e Impactos – Março de 2018

Duração da Seca Meteorológica¹

De acordo com os dados de SPI, verifica-se a persistência de condição de seca nas porções oeste e norte da Região Nordeste. Em grande parte dos Estados do Ceará e Piauí, a seca já dura por mais de quinze meses (áreas em vermelho). Ressalta-se que nessas regiões a estação chuvosa finaliza ainda neste mês de abril. Por outro lado, a estação chuvosa da região leste do Nordeste, tem início no mês de abril e estende-se até o mês de julho.

A definição do evento de seca utilizada neste produto estabelece o início da seca quando o Índice de Precipitação Padronizada (SPI) indica valores inferiores a -1 por pelo menos dois meses consecutivos (Spinoni et al., 2014, 2015).  O término do evento de seca ocorre quando o SPI retorna a valores positivos. O evento de seca é determinado, dessa forma, a partir dos seus meses de início e de término; logo, a duração de um evento de seca é determinada pelo número de meses entre o mês de início e o de término. Fonte do SPI: CPTEC/INPE.

1 Seca meteorológica: definida por Wilhite (2000) como o resultado de um déficit de precipitação, isto é, quando o valor de chuva acumulado em um período e em uma área se encontra significativamente abaixo do valor climatologicamente esperado. 

 

Avaliação das condições de seca agrícola² de acordo com o Índice Integrado de Seca (IIS)

A avaliação do IIS para o mês de março em relação ao mês anterior (fevereiro):

  • Seca Fraca: aumento de 707 para 750 municípios, principalmente no Estado da Bahia.
  • Seca Moderada: redução de 168 para 166 municípios
  • Seca Severa: redução de 31 para 1 município.
  • Seca Extrema: redução de 4 para 0 município.
  • AL
  • SE 
  • MA
  • CE
  • RN 
  • PE
  • PB
  • BA 
  • ES
  • MG
  • PI
Clique na imagem para ampliar.
Clique na imagem para ampliar.
 
Clique na imagem para ampliar.
 
Clique na imagem para ampliar.
 
Clique na imagem para ampliar.
 
Clique na imagem para ampliar.
 
Clique na imagem para ampliar.
 
Clique na imagem para ampliar.
 
Clique na imagem para ampliar.
 
Clique na imagem para ampliar.
 
Clique na imagem para ampliar.
 

O índice Integrado de Seca (IIS) é uma combinação (média geométrica) das informações provenientes do índice de Suprimento de Água para a Vegetação (VSWI), o qual é calculado a partir de dados de sensoriamento remoto, e do Percentil de precipitação, que é calculado a partir de dados observacionais de chuva. O índice VSWI é derivado de dados de NDVI e temperatura do dossel, oriundos do sensor MODIS a bordo dos satélites AQUA e TERRA – resolução de 1 km.  O índice indica condição de seca quando o valor do NDVI (índice de vegetação) é baixo (o que indica baixa atividade fotossintética) e a temperatura da vegetação é alta (indicando estresse hídrico). Por sua vez, o percentil é usado como forma de classificar o status de cada município, segundo o montante de precipitação recebido. São consideradas as seguintes classificações: Seca extrema (precipitação abaixo do percentil 5); Seca severa (precipitação entre os percentis 5 e 10); Seca moderada (precipitação entre os percentis 10 e 30); Seca fraca (precipitação entre os percentis 30 e 50).

2 Seca agrícola e/ou vegetativa: Resultado da deficiência hídrica no solo e consequente estresse hídrico às plantas, provocando redução na produção de biomassa.

Avaliação dos impactos da Seca em áreas de pastagens de acordo com o Índice VSWI

Em relação ao mês anterior (Fevereiro), as áreas de pastagens, impactadas pela seca diminuíram em toda região. No mês de março, 90 municípios apresentaram pelo menos 50% de suas áreas impactadas.

Porcentagem de áreas de pastagens impactadas pela seca de acordo com o índice VSWI. A porcentagem de área é calculada considerando a área total de pastagens do município. Na legenda são mostrados apenas aqueles municípios cuja área impactada é superior a 50% da área total de uso do município. 

Influências climáticas na escala sub-sazonal a sazonal

Na escala climática sazonal, temos um episódio de La Niña que se encontra bastante enfraquecido com temperaturas superficiais tendendo rapidamente para a média climatológica (-0.5). A expectativa é que o trimestre AMJ seja dominado por condições normais no Oceano Pacifico equatorial. A previsão climática sazonal (MCTIC) para AMJ/2018 indica que é mais provável que os totais de chuva se mantenham abaixo do normal em grande parte do Semiárido. Essa previsão justifica-se no enfraquecimento da La Niña e na descaracterização das TSM no Oceano Atlântico. A previsão a médio prazo indica condições favoráveis para precipitação no norte do semiárido (Maranhao, Ceara, Piaui, e Rio Grande do Norte) durante a próxima semana (8 a 14 de abril). Após, as chuvas devem se tornar mais escassas.

Confira também

Situação Atual e Previsão Hidrológica para o Aproveitamento Hidroelétrico Três Marias 26/10/2018

A precipitação média espacial, acumulada durante a estação seca, nos meses de abril a setembro …