Capa » Sistema de Alertas e Visualização de Áreas de Risco – SALVAR
cemaden- sistema salvar

Sistema de Alertas e Visualização de Áreas de Risco – SALVAR

Sistema de Alertas e Visualização de Áreas de Risco – SALVAR

Os recursos da computação são fundamentais para monitorar desastres naturais. No entanto, duas preocupações fundamentais giram em torno desse assunto: (1) como fazer a transposição operacional de grande quantidade de informações meteorológicas, hidrológicas, geológicas, topográficas, geotécnicas, demográficas, socioeconômicas, de toda a federação brasileira, para uma única tela de computador para que seja possível uma visualização e monitoramento de eventos extremos em centenas de entes municipais? (2) como reunir dados, não necessariamente uniformes das múltiplas instituições parceiras, para uma linguagem computacional que possibilite o monitoramento e, ao mesmo tempo, garanta a segurança na tomada de decisão para a emissão de alertas?

Para dar resposta a essas questões, o Cemaden desenvolveu o Sistema de Alertas e Visualização de Áreas de Risco SALVAR, uma plataforma computacional desenvolvida para monitorar dados ambientais. Essa plataforma de visualização de áreas de risco, disponibilizada na Sala de Situação, e utilizada pelos operadores que trabalham durante 24 horas por dia, 7 dias por semana, integra diversas bases de dados fornecidos por instituições intragovernamentais e intergovernamentais, bem com aquelas não-governamentais, quais sejam: AlertaRio, ANA, APAC, CGE, CENAD, CEMIG, CIAGRO, CPRM, CRT, CTH, DECEA, DRM/RJ, EPAGRI/CIRAM, FUNCEME, IG, IBGE, IGAM, INMET, INPE, IPMET, ITEP, SIMEPAR, INCAPER, IPT, UFAL/SIRMAL, USP, SAISP, SEMARH, dentre outras.

Essa ferramenta facilita a previsão de riscos hidrológicos e geodinâmicos, uma vez que permite combinar em um único ambiente, por exemplo, previsões, dados em tempo real e dados pretéritos, como acumulados de chuva, nível e vazão de rios etc.

Versões mais atualizadas dessa plataforma foram desenvolvidas, permitindo ao operador melhor uso, através de interfaces mais ricas de visualização, com diversos filtros, tabulações, cores, informações geográficas, limiares automatizados e gráficos mais precisos. Essa plataforma requer constante desenvolvimento-aprimoramento e atualmente está sendo desenvolvida a versão 3.0. Com essa ferramenta operacional, já foi possível emitir, durante o ano de 2014, mais de 1.100 alertas de desastres, totalizando cerca de 3 mil alertas até fevereiro de 2015.

Portanto, a plataforma SALVAR tornou-se emergente quando a criação de uma rede observacional nacional entrou na agenda pública, reunindo um rol de dados produzidos por instituições localizadas em diferentes regiões do país.