Projeto Pluviometros
Objetivo
  • O projeto "Pluviômetros nas Comunidades" visa introduzir a cultura da percepção de riscos de desastres naturais no Brasil, envolvendo a população que vive em áreas de risco, fortalecendo as capacidades locais de enfrentamento de eventos adversos.

    O projeto prevê a distribuição de pluviômetros semiautomáticos (equipamento que mede a quantidade de chuva) para serem instalados em áreas de risco e operados por equipes da comunidade local, especialmente treinadas e, desta forma, promover o engajamento e a conscientização dos moradores, completando a rede de informações hidrometeorológicas que fazem parte da estrutura observacional do país para o monitoramento e alertas de desastres naturais.

    O projeto será conduzido mediante parceria entre o Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais - CEMADEN, do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), e o Centro Nacional de Gerenciamento de Riscos e Desastres - CENAD, do Ministério da Integração Nacional (MI) , e busca identificar outros parceiros interessados em receber e instalar pluviômetro(s) em áreas de risco dos municípios mais suscetíveis e vulneráveis à ocorrência de desastres naturais, principalmente, deslizamentos.

Justificativa
  • Os desastres naturais mais comuns registrados no Brasil são decorrentes de inundações, alagamentos, enxurradas, deslizamentos, estiagens, secas e vendavais. Nos ambientes urbanos, onde se concentra a maioria da população brasileira, as inundações, as enxurradas e os deslizamentos de solo ou rocha são os eventos que causam os maiores impactos. Leia Mais

    O aumento da ocorrência de desastres decorre, principalmente, da ocupação inadequada de áreas de risco geológico potencial como, por exemplo, os assentamentos precários em áreas íngremes, caracterizados pela ausência de infraestrutura urbana, especialmente sistemas de drenagem. Nos períodos chuvosos mais intensos e prolongados, a execução de cortes e aterros instáveis (sem estruturas de contenção de taludes), o depósito de lixo nas encostas e as construções frágeis também potencializam a fragilidade natural dos terrenos e contribuem para os deslizamentos.


    Contudo, mesmo os bairros legalmente implantados também estão sujeitos a desastres associados a deslizamentos, uma vez que o conhecimento do comportamento do meio físico ainda não foi adequadamente incorporado aos planos diretores, leis de uso e ocupação ou ao processo de licenciamento dos novos parcelamentos do solo. Assim, é comum a aprovação de loteamentos e conjuntos habitacionais em áreas cujas condições geológicas recomendariam a utilização para atividades de caráter menos intensivo, como praças públicas, parques ou áreas verdes de lazer.


    Como é no município que os desastres acontecem, é importante que a comunidade, o Governo e a Administração Municipal estejam capacitados para prevenir, preparar e dar resposta eficiente aos riscos de desastres. Considerando que operadores locais terão conhecimento dos dados pluviométricos com maior rapidez, estes poderão se organizar, contatar as autoridades locais e, mais rapidamente, receber orientações para adotar medidas imediatas em situações de risco.


    Engajar a comunidade no monitoramento ambiental em situações de risco tem sido prática eficaz para mitigar desastres naturais em vários países do mundo. A instalação dos pluviômetros semiautomáticos, principalmente próximos às áreas de risco de deslizamentos, permitirá às comunidades participar de maneira ativa na gestão do risco. O envolvimento dos moradores em áreas de risco consiste numa importante ação de mobilização social, incluindo a possibilidade de participação de crianças, jovens ou idosos na coleta, leitura e interpretação dos dados.


    A campanha valoriza a colaboração dos núcleos comunitários de defesa civil, das associações, comissões, mutirões e movimentos sociais criados durante a última década em comunidades vitimadas pelos eventos climáticos extremos no Brasil. Reconhece, também, o relevante apoio de entidades como a Ação da Cidadania contra a Fome, a Miséria e pela Vida, a Caritas Brasileira, as Comissões Pastorais da Terra, o Conselho Federal de Psicologia, o Movimento Nacional dos Afetados por Desastres, entre outras, que têm encaminhado reivindicações e lutas pelos direitos das pessoas e famílias afetadas por desastres naturais.


logos
2014 - Projeto Pluviometro nas Comunidades