Capa » Noticias » Pesquisadores e especialistas apontam desafios e ações para a prevenção de diminuição de riscos de desastres

Pesquisadores e especialistas apontam desafios e ações para a prevenção de diminuição de riscos de desastres

dsc00303
No encerramento do 1º Workshop BRAHVE, a diretora-substituta do Cemaden, Regina Alvalá, enfatiza que as discussões foram produtivas e os objetivos propostos no workshop foram alcançados, em especial, no que diz respeito à articulação para o estabelecimento de parcerias voltadas ao  desenvolvimento de pesquisas entre instituições nacionais e internacionais.

 

Necessidade de mais investimentos em pesquisas e desenvolvimentos tecnológicos, incluindo parcerias institucionais (nacionais e internacionais) e utilização de novas ferramentas – voltadas à prevenção e à diminuição dos riscos de desastres – foram alguns dos resultados das discussões apresentadas no encerramento do 1° Workshop Brasileiro para Avaliação de Ameaças, Vulnerabilidades, Exposição e Redução de Risco de Desastres – BRAHVE, realizado entre os dias 6 e 8 de junho, no Parque Tecnológico de São José dos Campos (SP). 

Organizado pelo Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden) – ligado ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, o 1° Workshop Brasileiro para Avaliação de Ameaças, Vulnerabilidades, Exposição e Redução de Risco de Desastres – BRAHVE, realizado entre os dias 6 e 8 de junho, em São José dos Campos (SP), incluiu programação diversificada  e participantes de diversas instituições brasileiras e latinoamericana.

“ As discussões foram produtivas e os objetivos propostos no workshop foram alcançados, em especial, no que diz respeito à articulação para o estabelecimento de parcerias para o desenvolvimento de pesquisas entre instituições nacionais e internacionais e entre profissionais da área de gestão de risco de desastres.”, afirmou a coordenadora de Relações Institucionais e diretora-substituta, Regina Alvalá, no encerramento do evento.

No contexto da programação, palestras de cientistas nacionais e da América Latina, reuniões de Grupos de Trabalho para discussões temáticas, apresentação de pesquisas e pôsteres de trabalhos científicos foram algumas das atividades previstas. O evento contou com a participação de cerca de 250 pessoas, representantes de diversas instituições, entre pesquisadores, professores, estudantes, Defesas Civis, profissionais e especialistas da área de gestão de risco de desastres socioambientais.

 “Semeamos iniciativas para efetivação de parcerias com especialistas da América Latina, além de desenvolvimento de capacidades para a construção de Banco de Dados de ocorrência e impactos de desastres.”, afirma a diretora-substituta do Cemaden, que também destacou que os resultados integrados serão relevantes para a contribuição do Brasil à elaboração dos próximos relatórios da Nações Unidas para redução de riscos de desastres.

dsc00218
Representantes dos três Grupos de Trabalho ( Pesquisas e indicadores, Marco de Sendai e Banco de Dados) apresentaram as conclusões das discussões, envolvendo pesquisadores nacionais e latinoamericanos, além de representantes de diversas instituições que atuam na área de gestão de risco.

Resultados dos Grupos de Trabalho

No Grupo de Trabalho sobre “Pesquisas e indicadores de risco de desastres e adaptação às mudanças climáticas”, ressaltou-se a necessidade de mais investimentos em pesquisa, tecnologia e desenvolvimento.

Na temática sobre o Marco de Sendai, o Grupo de Trabalho discutiu estratégias e ações, estas também reforçadas durante as discussões das mesas-redondas, ocorridas durante o evento. Foram registradas contribuições e propostas com novos enfoques sobre o tema prevenção e redução do risco de desastres.  Entre as ações priorizadas, destacou-se a necessidade de fortalecer o diálogo, a cooperação e o compartilhamento de conhecimento sobre gestão e redução de risco de desastres. Essas ações e diálogos devem envolver os tomadores de decisão, entidades de planejamento, comunidades científicas, acadêmicas e tecnológicas, organizações da sociedade civil, voluntários e outros atores relevantes, de acordo com as respectivas obrigações e prioridades. As propostas do GT tiveram sinergia com as  recomendações da prioridade de ação “conhecer o risco” contidas no Plano de Ação Regional para a Implementação do Marco de Sendai, discutido na Plataforma Regional de Redução de Risco de Desastres, ocorrida em março de 2017 em Montreal, Canadá.

Com referência à temática Banco de Dados detalhados de desastres, o Grupo de Trabalho dedicado ao tema considerou necessário a elaboração de Banco de Dados que permitam integração de informações, constante atualização, análises e uniformização das informações, tal que possam subsidiar pesquisas e a formulação de indicadores de riscos no Brasil. Ferramentas e metodologias para registrar e documentar ocorrências e impactos foram propostas.

Todos os principais pontos discutidos e recomendações propostas serão apresentados no documento oficial que será oportunamente disponibilizado para todos os participantes e atores envolvidos na gestão integrada de redução de riscos de desastres.

dsc00271
Durante o workshop, foram apresentados 109 trabalhos científicos , provenientes de instituições de pesquisa e ensino. Dentro dos quatro eixos temáticos de trabalhos científicos, foram premiados quatro trabalhos de apresentação oral e quatro pôsteres.

Trabalhos científicos apresentados e premiados

Durante o workshop, foram apresentados 109 trabalhos entre apresentações orais e pôsteres. Os trabalhos científicos foram selecionados mediante inscrições antes do evento e avaliados por meio de critérios, previamente estabelecidos por uma equipe multidisciplinar, classificado por assuntos.

No eixo 1 “Ameaças e vulnerabilidades socioambientais no Brasil” foram apresentados 30 trabalhos, provenientes de 15 diferentes instituições de pesquisa e ensino.  Na modalidade Pôster, o trabalho premiado foi o intitulado: “Índice de vulnerabilidade epidemiológica a extremos climáticos”, apresentado por Pollyanne Evangelista da Silva. Na modalidade Oral foi premiado o trabalho intitulado: “Utilização da ferramenta DesInventar na construção de um banco de dados de desastres do Estado de São Paulo, período 2000 – 2015” apresentado por Carolina Locatelli Colla  da UNIFESP/São José dos Campos.

No eixo 2 “Métodos e/ou modelagem para avaliação dos riscos e de impactos de desastres” foram apresentados 39 trabalhos, com a participação  de 14 diferentes instituições de pesquisa e ensino.  O trabalho premiado na modalidade Pôster foi o intitulado: Evolução e risco de impactos causados por ressacas na orla da cidade do Rio de Janeiro apresentado por Maria Carolina Chalegre Touceira (UERJ). Na modalidade Oral, recebeu a premiação o trabalho intitulado: Mapeamento para o monitoramento de Riscos Socioambientais na Região Metropolitana de Manaus e Mosaico de Áreas Protegidas do Baixo Rio Negro, apresentado por Marcelo Augusto dos Santos Junior da FVA – Manaus.

No Eixo 3  “Planejamento, gestão e governança dos riscos, foram apresentados 18 trabalhos, representado por 13 diferentes instituições de pesquisa e ensino.  O trabalho premiado na modalidade Pôster foi o intitulado: Base de dados de desastres para o planejamento territorial e a gestão do risco: O caso de Bogotá, Colômbia, apresentado por Mario Andrés Yandar (Corporación OSSO). O trabalho premiado na modalidade Oral foi o intitulado: “Maiores desafios enfrentados pelas estruturas de proteção e defesa civil municipal em Santa Catarina: implicações para as políticas públicas”, apresentado por Mário Jorge Freitas (UDESC – Florianópolis/SC).

No Eixo 4 “Educação e comunicação para prevenção de riscos de desastres” foram apresentados 22 trabalhos,  de 12 diferentes instituições de pesquisa e ensino. O trabalho premiado na modalidade Pôster foi o intitulado: “Comunicação dos riscos e o Plano de Emergência Externo – um estudo de caso em Angra dos Reis, Rio de Janeiro” apresentado por Raquel Dalledone Siqueira da Cunha do IPEN/USP. O trabalho premiado na modalidade Oral foi o intitulado: Justiça climática e a deficiência visual: reflexões no campo da educação e comunicação, apresentado por Giselly Rodrigues das Neves Silva Gomes (UFMT – Cuiabá/MT).

dsc00310

Pós-evento e encaminhamentos

Ainda na sessão de encerramento, a pesquisadora do Cemaden, Dra. Viviana Muñoz, destacou que o documento final do evento; as apresentações dos palestrantes que autorizarem as divulgações; os relatórios detalhados dos grupos de trabalho; documento com a memória da Sessão Especial sobre a apresentação oral dos trabalhos científicos e os certificados serão oportunamente disponibilizados no site do evento.  “O Cemaden deverá avaliar a continuidade do encontro, no próximo ano, reunindo pesquisadores e profissionais da gestão de risco de desastres.”, afirmou a pesquisadora. “Fortalecer o diálogo e os mecanismos de compartilhamento entre entidades de planejamento, comunidade científica e comunidade em geral são essenciais para o avanço nas questões sobre a prevenção, redução de risco de desastre e adaptação às mudanças climáticas.”

Informações gerais sobre o evento

Mais informações sobre  o 1° BRAHVE (Workshop Brasileiro para Avaliação de Ameaças, Vulnerabilidades, Exposição e Redução de Risco de Desastres) podem ser acessadas pelo link

http://www.cemaden.gov.br/i-workshop-brasileiro-de-avaliacao-de-ameacas-vulnerabilidades-exposicao-e-reducao-de-risco-de-desastres/

 

Confira também

Cemaden recebe visita de pesquisadores de mudanças climáticas de 30 países

Com o objetivo de conhecer as linhas de pesquisas e o sistema de monitoramento de …