Capa » Noticias » Convenção das Nações Unidas faz projeção para o Combate à Desertificação

Convenção das Nações Unidas faz projeção para o Combate à Desertificação

As projeções sobre as mudanças climáticas no Brasil sugerem que haverá aumento da secura na Região Nordeste, com reduções de chuva, aumento da temperatura, déficits de água e secas mais longas, aumentando a aridez, prevalecendo a seca mais acentuada na segunda metade do século 21. Essa análise foi apresentada pelo climatologista e pesquisador titular, José A. Marengo, do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden), órgão vinculado ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), durante a 3ª Conferência Científica da Convenção das Nações Unidas de Combate à Desertificação nos Países Afetados por Seca Grave e/ou Desertificação (UNCCD- sigla em inglês), ocorrida entre os dias 9 e 12 de março, em Cancun, no México.

No trabalho apresentado pelo pesquisador do Cemaden, foram traçados cenários com o uso de índice de aridez e o efeito da mudança climática sobre o balanço hídrico e a disponibilidade de água. Um aumento e intensificação das secas foi projetada para grande parte da América do Sul, incluindo o atual semiárido da Região Nordeste brasileira, devido à precipitação reduzida e/ou aumento da evapotranspiração, o que compromete a disponibilidade de água para irrigação agrícola.

A projeção apresenta um cenário de aumento da aridez, no período dos anos 2071-2100, com bases no aumento da extensão da região semiárida, combinado com a degradação da terra, o que aumenta o risco de desertificação. “Sobre o aumento de risco de seca/aridez e a vulnerabilidade das pessoas da região semiárida, é necessário considerar medidas de gestão de risco, as quais possam servir de base para a implementação de medidas de adaptação.”, afirma o cientista José A. Marengo.

Convenção das Nações Unidas para o Combate à Desertificação

Durante o evento, foi realizada a Sessão Extraordinária da Comissão de UNCCD de Ciência e Tecnologia, onde os cientistas emitiram um relatório alertando sobre danos irreversíveis à terra. Concluem que há a tendência de enormes faixas de terras do planeta ficarem com o solo estéril,  resultante da soma de efeitos combinados da pobreza, da degradação de terra e das mudanças climáticas.

Junto a outros 192 países, o Brasil é signatário da Convenção das Nações Unidas para o Combate à Desertificação e Mitigação dos Efeitos das Secas – UNCCD, reconhecida como o instrumento fundamental para erradicar a pobreza e promover o desenvolvimento sustentável nas áreas rurais das terras secas, que incluem regiões do semiárido brasileiro.

A desertificação é definida como um processo de degradação ambiental causada pelo manejo inadequado dos recursos naturais nos espaços áridos, semiáridos e subúmidos secos, que compromete os sistemas produtivos das áreas susceptíveis, os serviços ambientais e a conservação da biodiversidade. No Brasil são 1.480 municípios susceptíveis a esse processo que pode ser causado pelo homem ou pela própria natureza e agravados pelas questões climáticas.

O Cemaden atua no monitoramento do semiárido do nordeste brasileiro, com o Projeto Sistema de Previsão de Risco de Colapso de Safras no Semiárido, instalando plataformas de coleta de dados agrometeorológicos e de umidade do solo, para acompanhamento de safras de culturas de subsistência na região semiáriada brasileira.

Confira também

Metodologias para antecipar alertas em eventos meteorológicos severos são apresentadas na Série de Debates

O desafio da previsão e monitoramento de tempestades severas – as quais podem resultar em …