Capa » Noticias » Cemaden participa de seminário nacional sobre Saúde em Desastres

Cemaden participa de seminário nacional sobre Saúde em Desastres

“Monitoramento de variáveis climáticas para alertas de risco de desastres no Brasil”, com abordagens sobre percepção do risco, conhecimento sobre o clima, as vulnerabilidades socioambientais e saúde pública  foi a temática levada pela pesquisadora Luciana Londe, do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas (Cemaden) para discussão no 10º Seminário de Saúde em Desastres, ocorrido em outubro passado em Brasília (DF), promovido pelo Ministério da Saúde.

O seminário reuniu profissionais e gestores do Sistema Único de Saúde (SUS), especialistas em gestão de riscos de desastres e pesquisadores, para discutir sobre a atuação dos serviços de saúde frente a desastres ambientais, que podem ferir e expor a população a doenças.

“As ações para a prevenção e controle dos desastres foram discutidas nesse seminário, com a finalidade de evitar os impactos significativos na saúde da população, além do planejamento da infraestrutura dos serviços de saúde.”, informa a pesquisadora do Cemaden, Luciana Londe. A pesquisadora considera importante esse diálogo entre gestores e pesquisadores da Saúde e de Desastres, para ações de prevenção de risco de desastres e no  planejamento para as emergência dos impactos dos eventos climáticos, no caso do potencial de danos diretos e indiretos causados pelos desastres socioambientais.

No Brasil, a estiagem e as inundações são as ocorrências mais frequentes e influenciam nos índices de mortalidade, além de prejudicarem a saúde física e mental de milhões de pessoas. Foram considerados, também, o aumento de doenças infecciosas – respiratórias e de transmissão hídrica e alimentar – e o agravamento das doenças crônicas e de transmissão por vetores.

Impactos dos desastres e formulação de ações

As inundações acometem todas as regiões e têm impactos significativos sobre a saúde da população e a infraestrutura dos serviços de saúde. O Plano de Contingência de Inundações é uma das medidas do Ministério da Saúde para organizar a atuação do Sistema Único de Saúde em resposta a esses eventos. As inundações podem ocorrer em todos os estados e, por isso, aumenta a preocupação dos efeitos sobre a saúde da população.

Nos últimos 16 anos, 69,8% dessas situações foram por eventos climatológicos seguidos de hidrológicos (21,0%), meteorológicos (7,6%), geológicos (1,1%), biológicos (0,3%) e tecnológicos (0,2%). Esse cenário exigiu maior organização do SUS para a ampliação da capacidade de atuação e a adoção de medidas para preparar à resposta no cuidado à saúde da população.

Os debates no seminário resultaram na formulação de  quatro pilares de capacidade de resposta de emergência que o Brasil e outros países estão desenvolvendo: 1) Autoavaliação de atendimentos anteriores, com maior representatividade e inclusão de estados e municípios; 2) Estabelecer metodologia para novas realidades; 3) Portfólio de simulados e simulacros: exercício para atender realidades diferentes; 4) Recepção da avaliação externa, ou seja, ouvir outros gestores.

Os trabalhos científicos e painéis dos pesquisadores em Saúde e em Desastres Naturais apresentados no seminário nacional estão disponibilizados no endereço :

https://drive.google.com/drive/folders/1xmeKxbsOiVfpgupsDSCGLqlwSqxvNNpG?usp=sharing

Fonte : Ascom/Cemaden com Agência Saúde

Confira também

Cemaden lança licitação para contratação de serviço de manutenção predial

O Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais – Cemaden, localizado no Parque …