Capa » Noticias » Cemaden participa de fóruns globais no Japão e da elaboração de documento de estratégias para a redução e resiliência a desastres

Cemaden participa de fóruns globais no Japão e da elaboração de documento de estratégias para a redução e resiliência a desastres

Fóruns realizados no Japão reúnem cientistas membros da IAP (InterAcademy Partnership – rede representada por 130 Academias de Ciências do mundo)   e resultam na elaboração do documento apresentando quatro recomendações para orientar as estratégias de ações envolvendo governos, organizações internacionais, pesquisadores e a sociedade. O coordenador geral de Pesquisa e Desenvolvimento do Cemaden e, também, membro da IAP,  climatologista José Marengo, participou das discussões e da elaboração desse documento.

 

Como a Ciência e Tecnologia podem contribuir com a sociedade para promover a redução do risco de desastres e resiliência, fornecendo informações para a incorporação de boas práticas, com base no conhecimento local: esse foi o tema central dos dois fóruns, realizados no Japão, no final de novembro, reunindo cientistas membros da IAP (InterAcademy Partnership), representando mais de  130 Academias de Ciências do mundo.

As discussões do Fórum Global de Ciência e Tecnologia para Resiliência a Desastre (Global Fórum on Science and Technology for Disaster Resilience 2017) ocorrido em Tóquio, e do Fórum Mundial de Bonsai (World Bosai Forum), realizado na cidade de Sendai,  resultaram  no lançamento, no último dia 25 de novembro, da Declaração do IAP sobre “Ciência e Tecnologia para Redução do Risco de Desastres”, apresentando quatro recomendações básicas e sugestões de estratégias e ações.

Os fóruns globais realizados no Japão, entre os dias 23 a 28 de novembro,  foram organizados pelo Escritório das Nações Unidas para Redução de Desastres (United Nations Office for Disaster Reduction – UNISDR), com o apoio do Conselho Internacional para a Ciência ( International Council for Science -ICSU) e da Pesquisa Integrada em Risco de Desastre (Integrated Research on Disaster Risk -IRDR).  A elaboração da Declaração do IAP foi coordenada pelo Conselho de Ciências do Japão.

“O Acordo de Sendai, firmado em 2015, para Redução do Risco de Desastres no período de 2015 a 2030, exige um aumento da contribuição da ciência, tecnologia e pesquisa para lidar com os riscos de desastres socioambientais,  gerenciar seus impactos e aumentar a resiliência das cidades.”, afirma o coordenador-geral do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden),  José Marengo. O Cemaden é uma unidade de pesquisa do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC).

O pesquisador explica que estão aumentando os impactos dos desastres no mundo, devido o crescimento e concentração das populações em áreas urbanas, o desenvolvimento e ocupação de áreas de risco, além da infraestrutura nas áreas vulneráveis à risco de desastres.  “Associado a todos esses fatores, estão as mudanças climáticas. Os estudos atuais mostram a relação da mudança do clima com aumento das ocorrências de eventos climáticos extremos.”,  enfatiza Marengo.

Recomendações dos cientistas mundiais para a redução do risco de desastres e aumento da resiliência

Entre as recomendações apresentadas pelos cientistas membros da InterAcademy Partnership (IAP) estão:

1) Promover e fortalecer o desenvolvimento de uma plataforma  de informações científicas, em nível nacional, nas abordagens inter e transdisciplinar, com a finalidade de apoiar os esforços dos  governos e da sociedade para a redução do risco de desastres e resiliência;

2) Atribuir um papel importante na redução do risco de desastres à Ciência do Desastre, Engenharia de mitigação de desastres, Ciência Ambiental e Ciências Sociais,  particularmente, Sociologia, Geografia, Economia, Ciência da Saúde, Ciência da Terra, Observação da Terra e outras áreas.

 3) Promover a pesquisa científica e tecnológica em nível local, nacional e internacional, estabelecendo condições inclusivas e eficazes, além de plataformas nacionais sustentáveis ​​para apoiar os esforços em risco de desastres, redução e resiliência através da cooperação transdisciplinar.

 4) Para a implementação efetiva do conhecimento existente no processo de desenvolvimento e da vida cotidiana das pessoas, é necessário criar uma orientação científica para as demandas,  direcionada à segurança, especialmente nos países em desenvolvimento.

As recomendações da Declaração da IAP sobre “Ciência e Tecnologia para Redução do Risco de Desastres” estão disponibilizadas para download no endereço eletrônico :  http://www.interacademies.net/File.aspx?id=31991

(Fonte : Ascom-Cemaden)

 

Confira também

Gestores e pesquisadores do Peru e da Colômbia visitam o Cemaden

Uma comitiva integrada por cerca de 15 gestores e pesquisadores do Peru e da Colômbia …