Capa » Noticias » Cemaden discute sobre pesquisas científicas e monitoramento de seca no semiárido brasileiro

Cemaden discute sobre pesquisas científicas e monitoramento de seca no semiárido brasileiro

Pesquisadores do Cemaden – da área de agrometeorologia e de impactos do clima na sociedade  – discutem com outros cientistas brasileiros sobre as vulnerabilidades socioambientais em regiões semiáridas e os impactos das mudanças climáticas. O encontro, organizado pela UFRN, foi um preparatório para a organização de uma conferência internacional.

O Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden), do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, participou das discussões do Workshop sobre Cenários Ecológicos e Vulnerabilidade Socioambiental em Regiões Semiáridas, que reuniu cientistas brasileiros que trabalham com o tema. O objetivo foi o de apresentar novos conceitos e tecnologias, que ajudem a minimizar e prever os efeitos climáticos adversos sobre a população. O evento também discutiu sobre a importância dos modelos para o diagnóstico dos cenários e nas tomadas de decisões.

“A integração de atividades entre o Cemaden e a UFRN será importante para os estudos de quantificação da vulnerabilidade das populações à seca na região.”, afirma o pesquisador do Cemaden,  agrometeorologista  Marcelo Zeri, que apresentou as diferentes plataformas de monitoramento de chuva,  de umidade do solo e os índices que quantificam as condições de água no solo.

O pesquisador do Cemaden, discutiu, também, sobre as estratégias de integração de modelos de cultivo e previsão meteorológica, visando a estimativa de risco agrícola para a agricultura familiar. Mostrou a criação de um índice de variabilidade de veranicos para a região semiárida. Zeri apresentou a disponibilização ao público sobre as informações dos boletins no Portal do Cemaden. Destacou, também, o desenvolvimento do aplicativo de celular (AgriSupport), utilizado para a interatividade de dados entre os produtores de agricultura familiar, o Cemaden e outras instituições relacionadas com atividades agropastoris.

No tema sobre impactos do clima na sociedade, os estudos para o desenvolvimento de previsão em escalas mais imediatas, de forma a reduzir a vulnerabilidade a extremos climáticos – os quais podem provocar desastres naturais – foram apresentados por outro pesquisador do Cemaden, o meteorologista e climatologista Christopher Cunningham.

“Há um crescente interesse nas comunidades científica, operacional e de aplicações para preencher uma lacuna que existe entre as previsões de tempo em médio prazo (até duas semanas) e as sazonais (três a seis meses).”, informa o pesquisador Cunningham.  “Esse interesse é pelo fato dos extremos climáticos importantes ocorrerem nessa escala de tempo, como por exemplo, os episódios de veranicos e de chuvas intensas.”, completa o pesquisador do Cemaden.

Em sua palestra, Cunningham demonstrou a importância do conhecimento acerca das variações atmosféricas, em escalas subsazonais, bem como sua aplicação na prevenção e preparação para um iminente desastre, além da mitigação de suas consequências.

O encontro entre pesquisadores de diversas instituições foi organizado pelo Programa de Pós-graduação em Ciências Climáticas, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), ocorrido na segunda semana deste mês, em Natal (RN). O evento foi um preparatório para a organização de um seminário internacional, visando ampliar as discussões sobre os potenciais impactos das mudanças climáticas, no que se refere à vulnerabilidade de cenários ecológicos em regiões semiáridas.

Confira também

Seca severa causa impacto em diferentes regiões do Brasil, aponta relatório do Cemaden

Seca severa em diferentes regiões do Brasil causa impacto na safra agrícola, na pecuária e …