Capa » Noticias » Cemaden amplia rede de monitoramento aplicada à prevenção de deslizamentos em Blumenau (SC)

Cemaden amplia rede de monitoramento aplicada à prevenção de deslizamentos em Blumenau (SC)

Nesta semana, o Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden) – unidade de pesquisa do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) – inicia a instalação das Plataformas de Coleta de Dados Geotécnicos (PCDs Geo) no município de Blumenau, no Estado de Santa Catarina, ampliando o monitoramento do risco de deslizamento nas encostas urbanas.

Os pesquisadores da área de geodinâmica do Cemaden – em parceria com a Defesa Civil de Blumenau –  estão  instalando esses equipamentos,  compostos por pluviômetros acoplados a sensores geotécnicos.

“A inovação proposta nesta ampliação da rede observacional é a composição de pluviômetros automáticos e sensores de umidade do solo no mesmo equipamento, denominado PCD Geo.”, destaca o pesquisador  e geólogo do Cemaden, Márcio Andrade . “O objetivo é aprimorar os alertas de prevenção dos impactos de risco de deslizamentos de encostas urbanas.”, explica o pesquisador.

As instalações programadas das PCDs Geotécnicas, neste mês de agosto, em Blumenau, abrangem 19 pontos da região metropolitana.

Atualmente, a Rede Observacional do Cemaden, no Estado de Santa Catarina,  é composta por 384 Pluviômetros Automáticos (instalados para medir a quantidade e a intensidade das chuvas) e por 21 Plataformas de Coleta de Dados Hidrológicos (PCDs Hidro- monitora, em tempo real, a situação do rio, principalmente no que diz respeito a riscos de enxurrada, erosão de margens e alagamento do núcleo urbano ). Em Blumenau, atualmente, estão instalados 22 pluviômetros automáticos do Cemaden, além das 15 PCDs Geo que  estão sendo instaladas neste mês.

Projeto RedeGeo do Cemaden

O pesquisador do Cemaden, Márcio Andrade, responsável pelo projeto,  explica que os equipamentos fazem parte do Projeto Remaden/RedeGeo (Rede Nacional de Monitoramento de Desastres Naturais), visando a ampliação e consolidação da rede observacional do Cemaden. O projeto é financiado pela FINEP (Financiadora de Estudos e Projetos) por meio do FNDCT (Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico).

O projeto RedeGeo visa acrescentar 140 PCDs Geotécnicas, até o ano de 2021,  nas Regiões Sul, Sudeste e Nordeste do Brasil, em municípios críticos com relação ao histórico de deslizamentos de terra e impactos socioeconômicos.

Além da instalação dos equipamentos nos municípios de Blumenau (SC), já foram instaladas, neste ano, PCDs Geo na Região Metropolitana de Recife (PE) e em municípios da Baixada Santista (SP).  Estão previstas, também,  a instalação no município de Mauá e municípios vizinhos (no Estado de São Paulo); Angra dos Reis, Petrópolis, Teresópolis e Nova Friburgo (no Estado do  Rio de Janeiro) e em Salvador e municípios vizinhos (no Estado da Bahia).

Para a instalação das PCDs Geotécnicas nos municípios, é necessário realizar um cronograma de atividades preparatórias e o envolvimento de pesquisadores, acordos e contratos institucionais do Cemaden, Defesas Civis, empresa técnica de instalação e apoio de universidades locais.

O cronograma de instalação dos equipamentos  é cumprido em três fases de atividades: 1ª fase- coleta de amostras de solo para ensaios laboratoriais; 2a. fase – construção de infraestrutura para instalação da PCD e na 3a. fase – retorno para montagem da PCD, conexões, início de funcionamento e transmissão de dados.

Na primeira etapa, o cronograma prevê até o final deste mês (agosto),  um total de 45 PCDs Geotécnicas da RedeGeo instaladas. Já foram instaladas 15 PCDs em cada estado:  Pernambuco ,  São Paulo (Baixada Santista) e agora em Santa Catarina.

(Fonte: Ascom/Cemaden)

Plataforma de Coleta de Dados Geotécnicos (PCD-Geo Cemaden).

 

 

Confira também

Área de floresta amazônica equivalente a nove cidades do Estado de SP foram queimadas durante as secas de 2010 e 2015/2016

Um estudo recentemente publicado na prestigiada revista Frontiers in Earth Science, intitulado “Fire Responses to …